Weby shortcut
Youtubeplay

Apresentação e Histórico

Atualizado em 19/03/19 22:22.

O Laboratório de Patologia de Invertebrados (LPI), localizado no Setor de Parasitologia do Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública - IPTSP, há 20 anos vem desenvolvendo pesquisas com fungos entomopatogênicos e invertebrados com importância na saúde humana e animal. O LPI hoje é um laboratório consolidado liderado por vários pesquisadores doutores com forte inserção regional, cooperação intensa com outras equipes da UFG, instituições locais, regionais, nacionais e internacionais. Os pesquisadores e alunos integrantes representam o Grupo de Pesquisa do CNPq Patologia de Invertebrados – Biotecnologia e Controle. A equipe do LPI mostra-se altamente dinâmica com fluxo contínuo de alunos de graduação de diferentes cursos e alunos de pós-graduação dos Programas de Medicina Tropical e Saúde Pública e Biologia da Relação Parasito Hospedeiro, ambos do IPTSP, e do Programa em Ciência Animal da Escola de Veterinária da UFG.

Inicialmente com o foco em triatomíneos, o espectro dos invertebrados estudados foi ampliando ao longo dos anos, e hoje desenvolvemos estudos com triatomíneos, mosquitos, moscas, baratas, carrapatos, moluscos e nematódeos. Trabalhamos principalmente com fungos Hypocreales dos gêneros Metarhizium, Beauveria, Culicinomyces, Isaria, Lecanicillium, Purpureocillium, Pochonia, Tolypocladium, e com Oomycetes do gênero Leptolegnia.

O LPI mantém hoje uma coleção de fungos de mais de 500 isolados, na maioria Hypocreales coletados no Centro Oeste, e grande parte foi depositada em coleções, nacional e internacional. Também mantemos criação permanente de Triatoma infestans, Rhodnius prolixus, Aedes aegypti, Musca domestica, Rhipicephalus microplus, Rhipicephalus sanguineus e Tenebrio molitor.

 

As atividades de pesquisa do LPI em fungos entomopatogênicos consistem:

  • Caracterização in vitro e in vivo: aspectos morfológicos, fisiológicos, físicos, bioquímicos e moleculares dos patógenos e seus metabólitos;
  • Estudo de impactos de fatores bióticos e abióticos sobre processos patológicos em invertebrados;
  • Estudo da biodiversidade de fungos entomopatogênicos no Centro-Oeste;
  • Desenvolvimento de tecnologias para controle de invertebrados pragas com fungos entomopatogênicos.

 

As pesquisas conduzidas no LPI envolvem colaborações com equipes do IPTSP e de outras Unidades da UFG, como o Laboratório de Nanosistemas e Dispositivos de Liberação de Fármacos (NanoSYS); o Laboratório de Tecnologia Farmacêutica da Faculdade de Farmácia; Departamento de Morfologia do Instituto de Ciências Biológicas; Laboratório Multiusuário de Microscopia de Alta Resolução (LabMic); Centro de Parasitologia Veterinária.

Instituições locais e regionais: Departamento de Controle de Zoonoses; Secretaria Municipal de Goiânia e Secretaria Estadual de Saúde de Goiás; Fazenda Santa Branca em Terezópolis de Goiás; Embrapa Arroz e Feijão, Santo Antônio, GO.

Instituições nacionais: Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, Brasília; Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, RJ; Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, SP; Universidade de Gurupi, Gurupi, TO; Embrapa Meio Ambiente, Jaguariúna, SP. 

Instituições internacionais USDA-ARS Robert W Holley Center for Agriculture & Health, Biological Integrated Pest Management Research, Ithaca; Department of Biology Estados Unidos; Utah State University, Logan, Utah, EUA; Universidad Nacional de La Plata, Argentina; Universidad Austral de Chile, Valdivia, Chile.